O inglês é falado por 1,5 bilhão de pessoas;
O chinês por 1,2 bilhão;
O indu por 1,0 bilhão;
51 línguas são faladas por uma pessoa
1.500 línguas são faladas por menos de mil pessoas;
240 línguas são faladas por 96% dos seres humanos.
Acredita-se que daqui a l00 anos restarão 100 línguas;
24 daqui a 300 anos.
O inglês, espanhol e chinês e espanhol sobreviverão.
O português será incorporado pelo espanhol.

ALíngua Portuguesa

Noperíodo medieval, o português nasceu da cisão do galaico-português emdois falares distintos (galego e português).
A sua estrutura de língua novi-latina manteve-se mas recebeu, ao longodo seu período de formação, a contribuição de outras línguas,especialmente o árabe e as línguas germânicas.
No período renascentista, o grego e, principalmente, o latim eruditocontribuíram para uma maior variedade vocabular, e para a estruturaçãolingüística e gramatical.
Com as Grandes Navegações e as Descobertas, a língua portuguesa adotouvocábulos de diferentes origens.
Nos séculos XVIII e XIX, sofreu influência do francês.
No século XX, do inglês.

Aslínguas no Brasil

Antesde 1.500 havia 1.175 línguas.
Hoje são menos de 200. Certamente línguas indígenas.
O Brasil não tem dialetos.
No máximo, tem regionalismos.

Alíngua portuguesa no Brasil

Osdescobridores, os primeiros povoadores e os padres falavam o português.
Os índios potiguaras, viatãs, tupiniquins, caetés, tupinambás,guaranis, carijós, tapuias, aymorés, goytacazes e tamoios falavam suaslínguas. Foram identificadas na costa cerca de 76 nações e línguas. Sóno Amazonas existiam mais de 150. Os estudos das línguas indígenascomeçaram com o padre biscaino João Azpicuelta Navarro.
Os bandeirantes falavam a língua geral, mistura de português com aslínguas indígenas
Em 1583, as línguas africanas foram introduzidas no Brasil com achegada de quatro mil escravos da Guiné. Sofreriam alterações findo otráfico. Nina Rodrigues foi o primeiro a estudar as línguas e osdialetos da Guiné, Angola, Moçambique, Costa da Mina, Daomé e Sudão,predominando o nagô e o ioruba, na Bahia, e o quibundo, no Norte e noSul.
Em 1595, em Coimbra, foi publicada por Antônio de Mariz a “Arte deGramática da Língua mais usada na costa do Brasil”, feita pelo padreJosé de Anchieta que também elaborou “Diálogo da Doutrina Cristã” e“Arte da língua brasílica” a que todos os jesuítas deviam ler.
Em 1727, Dom João V fez saber ao governador do Maranhão que os índiosdeveriam ser instruídos na língua portuguesa.
Em 1755 em São Luís e Belém só se falava a língua tupica, inclusive nospúlpitos das igrejas.
Em 1757, O Código do Marques de Pombal ou a Lei do Diretório tinha porobjetivos vulgarizar a língua portuguesa Com ela se conseguiu mudar alíngua do Pará, São Paulo e Maranhão, determinando o ensino da línguaportuguesa.
Em 1768, o guarani era a língua usada na intimidade em S ???p?ão Paulo.
Em 1823, José Honório Rodrigues registrou in “Humanidades”, revista daUnB: A vitória real da língua portuguesa no Brasil só foi registrada300 anos depois da chegada dos descobridores, quando os brasileirosfalaram pela primeira vez sua própria língua, em reunião pública, nosdebates da Assembléia Constituinte de 1823”
O português é falado em sete países,espalhados por cinco continentes, por mais de 230 milhões de pessoas.
181,0 milhões no Brasil
18,9 milhões em Moçambique
12,0 milhões em Angola
10,0 milhões em Portugal
4,5 milhões de portugueses na Europa, América do Norte e América do Sul
1,1 milhão em Guiné Bissau
1,0 milhão em Macau, Timor Leste, Goa, Damão e Diu
434,0 mil em Cabo Verde
134 mil em São Tomé e Príncipe
A língua portuguesa tem um acervo de500 mil palavras.
A 1ª edição do VocabulárioOrtográfico da Língua Portuguesa, da Academia Brasileira de Letras, em1981, coordenado por Antonio Houais, registrou 360 mil palavras
Admite-se que hoje hajam:
160 mil na língua viva do Brasil e
140 mil na língua viva em Portugal.
Reformas Ortográficas na LínguaPortuguesa
Em 1911, Portugal adotou a 1ª reforma ortográfica
Em 1931, foi aprovado o 1° Acordo Ortográfico entre Brasil e Portugalpor iniciativa da Academia Brasileira de Letras e a Academia dasCiências de Lisboa
Em 1943, foi adotada a 1ª Convenção Ortográfica entre Brasil e Portugal
Em 1945, adotou-se a Convenção Ortográfica Luso Brasileira, em Portugale não no Brasil.
Em 1971, foi promulgada Lei, no Brasil, reduzindo as divergênciasortográficas com Portugal, com a simplificação.
Em 1973, foi promulgada Lei, em Portugal, reduzindo as divergênciasortográficas com o Brasil.
Em 1975, a Academia das Ciências de Lisboa e a Academia Brasileira deLetras elaboraram novo projeto de acordo que não foi aprovadooficialmente.
Em 1986, realizou-se no Rio de Janeiro o primeiro encontro dacomunidades dos países de língua portuguesa, tendo a AcademiaBrasileira de Letras apresentado o Memorando Sobre o Acordo Ortográficoda Língua Portuguesa. Também se realizou o Encontro de VerificaçãoOrtográfico da Língua Portuguesa, que teve como Secretário GeralAntonio Houaiss, que apresentou o documento Bases Analíticas daOrtografia Simplificada da Língua Portuguesa, em 1945, renegociada em1986.
Em 1990, a Academia das Ciências de Lisboa convocou novo encontrojuntando uma Nota Explicativa do Acordo Ortográfico da LínguaPortuguesa, assinado por representantes de Angola, Brasil, Cabo Verde,Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal e São Tomé e Príncipe, eestabelecendo que o Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa entrará emvigor em 1 de janeiro de 1994...

Háquem afirme que:
Uma criança usa 1.000 palavras
Um adulto, 2.000;
Uma pessoa culta, 5.000
Um pessoa erudita, 10.000.
O bra ???p?sileiro médio usa 2.000 palavras
Dicionários
O Dicionário da Academia Brasileira de Letras tem 72 mil verbetes
O Dicionário de Antonio Houaiss 228.500
O Dicionário Michaelis 200.000
O Dicionário do Aurélio 160.000
O Dicionário Larousse Ilustrado 35.000
O Dicionário da Academia das Ciências de Lisboa 120.000l
O maior Dicionário do mundo é oOxford English Dictionary com 615.00 verbetes. A 1ª edição saiu em1927, depois de 48 anos de pesquisas, com 414.825.
A gíria no Brasil teria um acervo de:
50 mil palavras.
No meu Dicionário, 28 mil
No de Viotti, 5 mil (1957)
No de Nascentes. 2,5 mil (1953)
No de Amadeu Amaral, 2,0 mil (1922)
No de Elysio Carvalho, 500 (1912)
No de Bock l,0 mil (1903)
As referências sobre gírias
Em Portugal, nos séculos
XVI (Gil Vicente, Jorge Ferreira de Vasconcelos)
XVII (Dom Francisco Manuel de Melo)
XVIII (padre Rafael Bluteau e Manoel Joseph Paiva)
No Brasil,
XIX (Manuel Antonio de Almeida, Aloizio de Azevedo, J.Romaguera Correa)
XX (Bock, Elysio de Carvalho, Amadeu Amaral, Antenor Nascentes, ManuelViotti, Monica Rector, Dino Pretti)

Comonascem as gírias.

Muitagente pergunta pelo correio eletrônico, bem como em entrevistas,encontros, seminários etc como nascem as gírias. ???p?
As formas são muitas:
1) neologismos, novas palavras com a lógica da língua, seja pelamorfologia ou fonética;
2) metaplasmos
3) bordões, jargões, refrões, chavões, clichês, gritos de guerra,palavras de ordem, etc
4) palavrões e calões
5) ditados, ditos e expressões populares, frases feitas, frases deefeito
6) modismos induzidos, especialmente na tevê, um bordão que vira modismo
7) modismos tecnificados, especialmente na publicidade, uma frase, umslogan, uma palavra de ordem que vira modismo
8) regionalismo, caipirismo
9) vícios de linguagem, barbarismos, solecismos
9) palavras inventadas
10) corruptelas ou corrutelas
11) duplo significado. Na etimologia, uma coisa. Na gíria, outra
12) inclusão ou supressão de letras e sílabas
3) preguiça de se pronunciar a palavra por inteiro
14) simplificação da linguagem.

Amaior palavra
A maior palavra da língua portuguesa não é anticonstitucionalissimamente,como durante muito tempo se falou,mas Pneumoultramicroscopicossilico-vulvcanoconiotico, com 46 letras., quesignifica estado de que é acometido de uma doença rara provocada pelaaspiração de cinzas vulcânicas.

opinioes.gif (1792 bytes)

"Estaobra é rica de signos e ???p? significados. Concordo com a observaçãodo autor de que ela "é a manifestação da língua viva", representandoapreciável vertente do nosso vernáculo."
Arnaldo Niskier, ex-Presidente da AcademiaBrasileira de Letras

"Quero dizer-lhe, muitolealmente, que você levou a bom termo alguma coisa de extremo interessepresente a futuro não só para a nossa lingua formal presente, mastambém para a informal, cujos enlaces você não deixou de apontar."
AntonioHouaiss, ex-Ministro da Cultura e membro da Academia Brasileira deLetras."Gosteimuito do Dicionário. É bom. Acho que Houaiss tem razão."
MarcosVinicius Vilaça, Ministro do Tribunal de Contas da União e membro daAcademia Brasileira de Letras"Um trabalho dessa ordem, pesquisando alinguagem falada do povo, das classes marginais tem, em nossos dias,uma importância muito grande para o estudo da lexicografia popular."
DinoPretti, Professor da USP."Serra escarafunchou meio mundo, aqui ealhures, região por região, por todo esse Brasil imenso, a fim deregistrar vocábulos e expressões de que se valem os brasileiros na suaprática coloquial cotidiana."
BlanchardGirão, Jornal ???p?ista.

"Trata-se de uma longapesquisa em que você contribui valiosamante para o linguajar falado dobrasileiro e isso ajuda sobremaneira a todos nós."
L.G.Do Nascimento Silva, ex-Ministro da Previdência e ex-Embaixador doBrasil em Paris."Desejo cumprimentá-lo pelo "Dicionário deGíria" que você teve a coragem de iniciar a perseverança de levar a bomtermo.
OsvaldoDella Giustina, ex-Reitor da Universidade de Tocantins.

"No seu livro, Serra eGurgel, adverte que disseminação dessa forma de Linguagem, não rarotambém divulgada pelos meios de comunicação, pode estar levando oportuguês falado no Brasil a se transformar numa língua ágrafa - ouseja, sem a correspondente representação gráfica para sua manifestaçãosonora."
Editorialdo jornal A GAZETA, de Vitória, ES.

VEJA AS EDIÇÕES ANTERIORES DO JORNALDA GÍRIA

JornalNovembro de 1999
JornalDezembro de 1999
JornalJaneiro de 2000
JornalFevereiro de 2000
JornalMarço de 2000
JornalAbril de 2000
JornalMaio/Junho de 2000
JornalJulho/Agosto de 2000
JornalSetembro/Outubro de 2000
JornalJaneiro/Fevereiro de 2001
JornalMarço/Abril de 2001
JornalMaio/Junho de 2001
JornalJulho/Agosto de 2001
JornalSetembro/Outubro de 2001
JornalNovembro/Dezembro de 2001
JornalJaneiro/Fevereiro de 2002
JornalMarço/Abril de 2002
JornalMaio/Junho de 2002
JornalJulho/Agosto de 2002
JornalNovembro/Dezembro de 2002
JornalDezembro/02 - Janeiro/03
JornalJaneiro/Fevereiro de 2003
JornalAbril/Maio de 2003
JornalJunho/Julho de 2003
JornalAgosto/Setembro de 2003
JornalOutubro/Novembro de 2003
JornalDezembro de 2003
JornalFevereiro/Março de 2004
JornalAbril/Maio de 2004
JornalJunho-Agosto de 2004
JornalSetembro/Outubro de 2004
JornalNovembro/Dezembro de 2004
JornalJaneiro-Abril de 2005
JornalMaio/Julho de 2005

JornalAgosto/Outubro de 2005
JornalJaneiro/Fevereiro de 2006
JornalMarço/Abril de 2006
JornalMaio/Junho de 2006
JornalAgosto/Setembro de 2006
JornalOutubro/Dezembro de 2006
JornalJaneiro/Fevereiro de 2007
Jornal Março/Abril de 2007
JornalMaio/Julho de 2007
JornalAgosto/Outubro de 2007
JornalNovembro/Dezembro de 2007
JornalJaneiro/Fevereiro de 2008

Jornal Março/Abril de 2008

JornalMaio/Junho de 2008
JornalJulho/Agosto de 2008
JornalSetembro/Outubro de 2008
JornalNovembro/Dezembro de 2008
JornalJaneiro/Fevereiro de 2009
JornalMarço/Abril de 2009
JornalMaio/Junho de 2009
JornalJulho de 2009
JornalAgosto de 2009
JornalSetembro/Outubro de 2009
JornalNovembro/Dezembro de 2009
JornalJaneiro/Fevereiro de 2010
JornalMarço/Abril de 2010
JornalMaio/Junho de 2010
JornalJulho/Agosto de 2010
JornalSetembro/Outubro de 2010
JornalNovembro/Dezembro de 2010
JornalJaneiro/Fevereiro de 2011
JornalMarço/Abril de 2011
JornalMaio/Junho de 2011
JornalJulho de 2011
JornalAgosto de 2011
JornalSetembro/Outubro de 2011
JornalNovembro/Dezembro de 2011
JornalJaneiro/Fevereiro de 2012
JornalMarço/Abril de 2012
JornalMaio/Junho de 2012
JornalJulho/Agosto de 2012
JornalSetembro/Outubro de 2012
JornalNovembro/Dezembro de 2012
JornalJaneiro/Fevereiro de 2013
JornalMarco/Abril de 2013
JornalMaio/Junho de 2013
JornalJulho/Agosto de 2013
JornalSetembro de 2013
JornalOutubro de 2013
JornalNovembro/Dezembro de 2013
JornalJaneiro/Fevereiro de 2014
JornalMarço/Abril de 2014
JornalMaio/Junho de 2014
JornalJulho/Agosto de 2014
JornalSetembro/Outubro de 2014
JornalNovembro/Dezembro de 2014
JornalJaneiro/Fevereiro de 2015
JornalMarço/Abril de 2015
JornalMaio/Junho de 2015
JornalJulho/Agosto de 2015
JornalSetembro/Outubro de 2015
JornalNovembro/Dezembro de 2015
JornalJaneiro/Fevereiro de 2016
JornalMarço/Abril de 2016
JornalMaio/Junho de 2016
JornalJulho/Agosto de 2016
JornalSetembro/Outubro de 2016
JornalNovembro/Dezembro de 2016
JornalJaneiro/Fevereiro de 2017
JornalMarço/Abril de 2017
JornalMaio/Junho de 2017
JornalJulho/Agosto de 2017
JornalSetembro/Outubro de 2017
JornalNovembro/Dezembro de 2017
JornalJaneiro/Dezembro de 2018
JornalMarço/Abril de 2018
JornalMaio de 2018
JornalJunho de 2018
JornalJulho de 2018
JornalAgosto de 2018
JornalSetembro de 2018
Jornal Outubro Novembro de 2018
Jornal Dezembro de 2018
Jornal Janeiro/Fevereiro de 2019
Jornal Março/Abril de 2019
Jornal Maio/Junho de 2019
Jornal Julho/Agosto de 2019
Jornal Setembro/Outubro de 2019
Jornal Novembro/Dezembro de 2019
Jornal Janeiro/Fevereiro de 2020
Jornal Março/Abril de 2020
Jornal Maio/Junho de 2020


Jornalda Gíria Ano XXI- Nº 132 Julho e Agosto de 2020
 


Visiteo nosso Facebook,com as últimas questões gírias e da língua portuguesa.

Cliquenos ícones abaixoe veja ou ouça o que a equipe do Jornal da Gíria pesquisou sobre alínguaportuguesa e que é do seu interesse conhecer.

Ouçaaqui giria portuguesa e divirta-se ! (necessario PowerPoint )

 Veja o que mandouAntónio Pinho, de Lisboa: Aorigem da línguaportuguesa:

https://www.youtube.com/watch?v=EtBief6RK_I

Veja o que me mandouRubem Amaral Junior  :

http://youtu.be/sTVgNi8FFFM

vejaa despedida do trema  ! (necessario PowerPoint)

giria de angola :https://www.youtube.com/watch?v=YZdSGL54f-Y

Brasileirismos !(necessario PowerPoint)

Ouça  olink do programaSem Papas na Língua, com Ricardo Boechate Dionisio de Souza naBand News Fluminense, em 19,07.2018sobre o lançamento da 9ª. Edição do Dicionário de Gíria.

https://fatosfotoseregistros.wordpress.com/2018/07/19/spl20180719/


Os cem anos do DIALETO CAPIRA DE AMADEU AMARAL.

Antes do DIALETO CAIPIRA, de Amadeu Amaral, outros autores deflagraram a pesquisa sobe a gíria no Brasil. Já escrevemos sobre isso em edições anteriores do JORNAL DA GÍRIA.

É verdade que o DIALETO CAPIRA cingiu-se ao regionalismo paulista, não paulistano da capital, mas do interior, iniciando processo que tem levado muitos autores a valorizar o regionalismo ,

onde nasceram e se criaram e construíram sua biografia,

Com efeito, o regionalismo não chega ser a um dialeto, mas um componente importante da gíria em qualquer língua em qualquer pais, O regionalismo brasileiro pe muito forte.

E porque? Porque a gíria é a linguagem dos grupos fechados, linguagem entre pessoas de uma mesma ocupação. É um código de fala em que o grupo entende, compreende, difunde, assimila.

P regionalismo pe o código de linguagem de um estado, de uma região,

Quando o regionalismo rompe o casulo, sai do seu espaço, e passa a ser compreendido por outros grupos vai formar a gíria, que a segunda língua os brasileiros,

A cultura dos nordestinos difere da cultura dos gaúchos, os regionalismos – na sua ampla maioria – ficham restritos aos grupos fechados.das suas fronteiraS.

Amadeu Amaral contribuiu para  que os brasileiros do seu tempo compreendessem como falavam os paulistas de uma determinada região de São Paulo.

Outros atores tem feito o mesmo em relação às suas regiões.

 

1920, Amadeu Amaral publicou O Dialeto Caipira,  Casa Editora O Livro, São Paulo, 1ª edição.

 

 

Em 1920, algumas as gírias incorporadas ao DialetoCaipira:

 

amolação significa ato de importunar; angu confusão; coisas do arco da velha coisas extraordinárias; assuntar escutar; azucrinar atormentar; babau acabou-se; banguela sem os dentes da frente;

bate boca discussão violenta; biboca casinhola; bocó palerma; brabo zangado; bruaca mulher; cafundó lugar muito retirado e deserto; cismado desconfiado; estabanado estouvado;  jacuba mistura de açucar ou rapadura com farinha e água; 

jararaca pessoa colérica; jururu triste; lambança conversa fiada; pamonha pessoa apalermada; pancada maluco, desequilibrado; pau de fumo preto; perereca saltitante; pendenga discussão zeda; pileque bebedeira; rebordosa mau acontecimento;

sabão repreensão; supimpa excelente; topetudo audacioso, xará indíviduo que tem o mesmo nome que ouro.

 

O dialeto caipira, de Amadeu Amaral

Parábola Editorial

Parabola

NE Estou republicano o texto sem autorização prévia da Parabola Editorial. Se for necessário poderemos exclui-lo.

Segunda, 16 Março 2020

Sem-ttulo-9

 

Amadeu Amaral (Amadeu Ataliba Arruda Amaral Leite Penteado), poeta, folclorista, filólogo e ensaísta, nasceu em Capivari, SP, em 6 de novembro de 1875, e faleceu em São Paulo, SP, em 24 de outubro de 1929.

Fez o curso primário em Capivari e aos onze anos veio para São Paulo para trabalhar no comércio e estudar. Assistiu a algumas aulas do Curso Anexo da Faculdade de Direito, sendo um autodidata, pois não concluiu o curso secundário. Ingressou no jornalismo, 

trabalhando no Correio Paulistano e em O Estado de S. Paulo. Em 1922 transferiu-se para o Rio como secretário da Gazeta de Notícias. Do Rio mandava para O Estado de S. Paulo a crônica diária “Bilhetes do Rio”. Voltando a São Paulo exerceu cargos na administração pública.

Autodidata, surpreendeu a todos por sua extraordinária erudição, num tempo em que não havia, em São Paulo, as universidades e cursos especializados. Dedicou-se aos estudos folclóricos e, sobretudo, à dialectologia. No Brasil, foi o primeiro a estudar cientificamente um dialeto regional. 

“Dialeto caipira”, publicado em 1920, escrito à luz da Linguística, estuda o linguajar do caipira paulista da área do vale do rio Paraíba, analisando suas formas e esmiuçando-lhe o vocabulário. Visando à formação dos jovens, assim como Bilac incentivara o serviço militar,

Amadeu Amaral procurou divulgar o escotismo, que produziu frutos no país.

Sua poesia enquadra-se na fase pós-parnasiana, das duas primeiras décadas do século XX. Como poeta, destacou-se pelo desejo de contribuir, com suas obras, para a elevação de seus semelhantes, a ponto de seu sucessor, Guilherme de Almeida, ao ser recebido na Academia,

ter intitulado o seu discurso: “A poesia educativa de Amadeu Amaral”.

Por ocasião do VI centenário da morte de Dante, proferiu, no Teatro Municipal de São Paulo, uma conferência, enfatizando justamente os aspectos de Dante que exaltam a elevação do espírito humano através da Sabedoria. Também soube ressaltar as qualidades morais de Bilac no discurso de posse,

mostrando-o como homem preocupado com os problemas da sua pátria e escritor que evoluiu em sua poesia para um grau maior de espiritualidade.

Segundo ocupante da cadeira 15, foi eleito em 7 de agosto de 1919, na sucessão de Olavo Bilac, e recebido pelo acadêmico Carlos Magalhães de Azeredo em 14 de novembro 1919.

O dialeto caipira, de Amadeu Amaral (a partir da leitura da obra e do imprescindível artigo de Vandersí Sant’Ana Castro, “Revisitando Amadeu Amaral”. In: Estudos Linguísticos XXXV, p. 1937-1944, 2006. [1937/1944])

O Dialeto Caipira, publicado há exatos 100 anos, é uma obra de referência na história da dialetologia brasileira e um marco na história da linguística no Brasil. Feito com método (pesquisa in loco, clareza, critério, objetividade e precisão), 

é a primeira obra que procura descrever de forma abrangente um falar regional brasileiro. Até então, os estudos de dialetos enfocavam quase que só o léxico do português do Brasil, em âmbito geral ou regional, constituindo-se em dicionários e vocabulários. 

Diferentemente, o estudo de Amaral revela uma preocupação mais ampla, procurando descrever o falar caipira em seus diferentes aspectos fonético, lexical, morfológico e sintático.

Nas palavras de Vandersí Sant’Anna:

Diz-nos o Autor que até mais ou menos a última década do século XIX, tivemos “um dialeto bem pronunciado, no território da antiga província de S. Paulo” o falar caipira , “bastante característico para ser notado pelos mais desprevenidos como um sistema distinto e inconfundível”.

Esse falar “dominava em absoluto a grande maioria da população e estendia sua influência à própria minoria culta. (...) Ao tempo em que o célebre falar paulista reinava sem contraste sensível, o caipirismo não existia apenas na linguagem, mas em todas as manifestações da nossa vida provinciana” (Amaral, 1982: 41).

Todavia, no correr do final do século XIX e início do século XX, por atuação de fatores que alteraram o meio social (libertação dos escravos, crescimento da população, imigração, ampliação das vias de comunicação e do comércio, extraordinário incremento da educação), os “genuínos caipiras, os roceiros ignorantes e atrasados”, 

e o caipirismo vão perdendo seu espaço de influência. De tal forma que, à época em que o Autor desenvolve sua pesquisa, o falar caipira se acha “acantoado em pequenas localidades” que ficaram à margem do progresso, subsistindo “na boca de pessoas idosas”, observando-se, entretanto, que “certos remanescentes de seu predomínio de outrora ainda flutuam na linguagem corrente de todo o Estado, 

em luta com outras tendências, criadas pelas novas condições” (Amaral, 1982: 41-42). É esse falar que Amadeu Amaral descreve, numa tentativa de documentá-lo antes que se perca.

O material linguístico observado por Amadeu Amaral refere-se predominantemente aos municípios de Capivari, Piracicaba, Tietê, Itu, Sorocaba e São Carlos, mas é interessante aprender com o autor que o dialeto caipira era muito usado em toda a província (o estado de São Paulo), pela maioria da população e também por uma minoria culta. Isso deu aos paulistas a fama de corromperem o vernáculo com seus vícios de linguagem.

As características marcantes e influentes do dialeto da região parecem ser o que mantém a sua sobrevivência: é como se os falantes, conscientes de sua fala, a preservassem por uma questão de identidade e se tornassem, numa perspectiva da Análise de Discurso, narradores-produtores.

Por isso, a atualidade d’O Dialeto caipira. Uma obra pioneira, uma pesquisa importante feita há um século, que aborda uma questão linguística brasileira e que, pelo desenvolver dos estudos linguísticos, pode ser analisada hoje de uma maneira que ultrapassa a dialetologia e alcança a questão da identidade.

Alguns dados linguísticos sobre o dialeto caipira recolhidos por Amadeu Amaral:

a)    No nível fonético:

·        realização de [e] e [o] átonos finais: est[e], pov[o] (“povO”);

·        realização do ditongo nasal de bom, tom, som como [ãw] (“bÃU”);

·        ocorrência do “r caipira”, em posição intervocálica arara e pós-vocálica carta som identificado como “línguo-palatal e guturalizado”, cuja articulação é descrita em pormenores por Amaral; o “r retroflexo”, como também é conhecido, é, talvez, o traço mais marcante do que hoje se identifica como uma pronúncia “caipira”;

·        realização africada das palatais /ʃ/ e /ʒ/ [tʃ]ave para chave, [dʒ]ente para gente :tchave, dgente

·        alternância entre /b/ e /v/, dando lugar a formas sincréticas como [b]assora/[v]assora; [b]espa/[v]espa; [b]amo/[v]amo. varrer/barrer.

·        troca da lateral /l/ por /r/: craro; enxovar.

 

b)   No nível morfológico, uma das características é, na primeira pessoa do plural do perfeito do indicativo dos verbos em –ar, a tônica a>e: caminhamos=caminh[e]mo(s); outra  característica morfológica é que o adjetivo e o particípio passado frequentemente ocorrem sem flexão (de número e de gênero): essas coisarada bonito. Aí foi bão: peguemo a coisarada tudo.

 

c)   No nível da sintaxe, temos o uso de ele, ela como objeto; emprego de dupla negativa; uso de mór de vê e mó de vê (por amor de) para exprimir circunstância de causa. ninguém não viu ela? Pra mó de pedi(r) pra ela barrer.

 

d)   No nível do léxico, cabe destacar a presença de formas arcaicas, usadas pelos colonizadores portugueses já no século XVI: saluço (soluço), função (= baile), dona (= senhora), reina(r) (= fazer travessuras); presença de formas do tupi: caipira, sucuri, capim abacaxi, cipó, pamonha; e formações do próprio dialeto: campea(r) (= procurar), espeloteado (= maluco), prosea(r) (= conversar), rabo-de-tatu (= relho).

Interessante também apontar aqui que Amadeu Amaral não estava certo quando profetizou que o dialeto, estando já restrito a pessoas idosas e isoladas, iria desaparecer brevemente, por concorrência de outros falares paulistas. Em pesquisas realizadas 50 anos depois por linguistas da Unicamp (no final dos anos 1970), constatou-se que o dialeto estava ainda mais vigoroso, tanto no campo quanto na cidade.

Além disso, os pesquisadores se deram conta que o r retroflexo não está presente somente em palavras como porta (r pós-vocálico) e arara (r intervocálico) mas também, mais estranhamente, em encontros consonantais como braço ao menos em Capivari, terra natal de Amadeu Amaral

 

Português não é para amador.

 

Vamos,  testar nossos  conhecimentos de português.

 

 

Um poeta escreveu:

*"Entre doidos e doídos, prefiro não acentuar". *

Às vezes, não acentuar parece mesmo a solução.

Eu, por exemplo, prefiro a carne ao carnê.

Assim como, obviamente, prefiro o coco ao cocô.

No entanto, nem sempre a ausência do acento é favorável...

Pense no cágado, por exemplo, o ser vivo mais afetado quando alguém pensa que o acento é mera decoração.

E há outros casos, claro!

Eu não me medico, eu vou ao médico.

Quem baba não é a babá.

Você precisa ir à secretaria para falar com a secretária.

Será que a romã é de Roma?

Seus pais vêm do mesmo país?

A diferença na palavra é um acento; assento não tem acento.

Assento é embaixo, acento é em cima.

Embaixo é junto e em cima separado.

Seria maio o mês mais apropriado para colocar um maiô?

Quem sabe mais entre a sábia e o sabiá?

O que tem a pele do Pelé?

O que há em comum entre o camelo e o camelô?

O que será que a fábrica fabrica?

E tudo que se musica vira música?

Será melhor lidar com as adversidades da conjunção ”mas” ou com as más pessoas?

Será que tudo que eu valido se torna válido?

E entre o amem e o amém, que tal os dois?

Na sexta comprei uma cesta logo após a sesta.

É a primeira vez que tu não o vês.

Vão tachar de ladrão se taxar muito alto a taxa da tacha.

Asso um cervo na panela de aço que será servido pelo servo.

Vão cassar o direito de casar de dois pais no meu país.

Por tanto nevoeiro, portanto, a cerração impediu a serração.

Para começar o concerto tiveram que fazer um conserto.

Ao empossar, permitiu-se à esposa empoçar o palanque de lágrimas.

Uma mulher vivida é sempre mais vívida, profetiza a profetisa.

Calça, você bota; bota, você calça.

Oxítona é proparoxítona.

Na dúvida, com um pouquinho de contexto, garanto que o público entenda aquilo que publico.

E paro por aqui, pois esta lista já está longa.

Realmente, português não é para amador!

 

Se você foi capaz de ENTENDER TUDO, parabéns!! Seu português está muito bom!

 

(Desconheço autoria)

 

Excelente texto para trabalhar a importância da acentuação, parônimos e homônimos



 


 

 Deposite a sua gíria

 


Visitante de numero: 645631!