O inglês é falado por 1,5 bilhão de pessoas;
O chinês por 1,2 bilhão;
O indu por 1,0 bilhão;
51 línguas são faladas por uma pessoa
1.500 línguas são faladas por menos de mil pessoas;
240 línguas são faladas por 96% dos seres humanos.
Acredita-se que daqui a l00 anos restarão 100 línguas;
24 daqui a 300 anos.
O inglês, espanhol e chinês e espanhol sobreviverão.
O português será incorporado pelo espanhol.

ALíngua Portuguesa

Noperíodo medieval, o português nasceu da cisão do galaico-português emdois falares distintos (galego e português).
A sua estrutura de língua novi-latina manteve-se mas recebeu, ao longodo seu período de formação, a contribuição de outras línguas,especialmente o árabe e as línguas germânicas.
No período renascentista, o grego e, principalmente, o latim eruditocontribuíram para uma maior variedade vocabular, e para a estruturaçãolingüística e gramatical.
Com as Grandes Navegações e as Descobertas, a língua portuguesa adotouvocábulos de diferentes origens.
Nos séculos XVIII e XIX, sofreu influência do francês.
No século XX, do inglês.

Aslínguas no Brasil

Antesde 1.500 havia 1.175 línguas.
Hoje são menos de 200. Certamente línguas indígenas.
O Brasil não tem dialetos.
No máximo, tem regionalismos.

Alíngua portuguesa no Brasil

Osdescobridores, os primeiros povoadores e os padres falavam o português.
Os índios potiguaras, viatãs, tupiniquins, caetés, tupinambás,guaranis, carijós, tapuias, aymorés, goytacazes e tamoios falavam suaslínguas. Foram identificadas na costa cerca de 76 nações e línguas. Sóno Amazonas existiam mais de 150. Os estudos das línguas indígenascomeçaram com o padre biscaino João Azpicuelta Navarro.
Os bandeirantes falavam a língua geral, mistura de português com aslínguas indígenas
Em 1583, as línguas africanas foram introduzidas no Brasil com achegada de quatro mil escravos da Guiné. Sofreriam alterações findo otráfico. Nina Rodrigues foi o primeiro a estudar as línguas e osdialetos da Guiné, Angola, Moçambique, Costa da Mina, Daomé e Sudão,predominando o nagô e o ioruba, na Bahia, e o quibundo, no Norte e noSul.
Em 1595, em Coimbra, foi publicada por Antônio de Mariz a “Arte deGramática da Língua mais usada na costa do Brasil”, feita pelo padreJosé de Anchieta que também elaborou “Diálogo da Doutrina Cristã” e“Arte da língua brasílica” a que todos os jesuítas deviam ler.
Em 1727, Dom João V fez saber ao governador do Maranhão que os índiosdeveriam ser instruídos na língua portuguesa.
Em 1755 em São Luís e Belém só se falava a língua tupica, inclusive nospúlpitos das igrejas.
Em 1757, O Código do Marques de Pombal ou a Lei do Diretório tinha porobjetivos vulgarizar a língua portuguesa Com ela se conseguiu mudar alíngua do Pará, São Paulo e Maranhão, determinando o ensino da línguaportuguesa.
Em 1768, o guarani era a língua usada na intimidade em S ???p?ão Paulo.
Em 1823, José Honório Rodrigues registrou in “Humanidades”, revista daUnB: A vitória real da língua portuguesa no Brasil só foi registrada300 anos depois da chegada dos descobridores, quando os brasileirosfalaram pela primeira vez sua própria língua, em reunião pública, nosdebates da Assembléia Constituinte de 1823”
O português é falado em sete países,espalhados por cinco continentes, por mais de 230 milhões de pessoas.
181,0 milhões no Brasil
18,9 milhões em Moçambique
12,0 milhões em Angola
10,0 milhões em Portugal
4,5 milhões de portugueses na Europa, América do Norte e América do Sul
1,1 milhão em Guiné Bissau
1,0 milhão em Macau, Timor Leste, Goa, Damão e Diu
434,0 mil em Cabo Verde
134 mil em São Tomé e Príncipe
A língua portuguesa tem um acervo de500 mil palavras.
A 1ª edição do VocabulárioOrtográfico da Língua Portuguesa, da Academia Brasileira de Letras, em1981, coordenado por Antonio Houais, registrou 360 mil palavras
Admite-se que hoje hajam:
160 mil na língua viva do Brasil e
140 mil na língua viva em Portugal.
Reformas Ortográficas na LínguaPortuguesa
Em 1911, Portugal adotou a 1ª reforma ortográfica
Em 1931, foi aprovado o 1° Acordo Ortográfico entre Brasil e Portugalpor iniciativa da Academia Brasileira de Letras e a Academia dasCiências de Lisboa
Em 1943, foi adotada a 1ª Convenção Ortográfica entre Brasil e Portugal
Em 1945, adotou-se a Convenção Ortográfica Luso Brasileira, em Portugale não no Brasil.
Em 1971, foi promulgada Lei, no Brasil, reduzindo as divergênciasortográficas com Portugal, com a simplificação.
Em 1973, foi promulgada Lei, em Portugal, reduzindo as divergênciasortográficas com o Brasil.
Em 1975, a Academia das Ciências de Lisboa e a Academia Brasileira deLetras elaboraram novo projeto de acordo que não foi aprovadooficialmente.
Em 1986, realizou-se no Rio de Janeiro o primeiro encontro dacomunidades dos países de língua portuguesa, tendo a AcademiaBrasileira de Letras apresentado o Memorando Sobre o Acordo Ortográficoda Língua Portuguesa. Também se realizou o Encontro de VerificaçãoOrtográfico da Língua Portuguesa, que teve como Secretário GeralAntonio Houaiss, que apresentou o documento Bases Analíticas daOrtografia Simplificada da Língua Portuguesa, em 1945, renegociada em1986.
Em 1990, a Academia das Ciências de Lisboa convocou novo encontrojuntando uma Nota Explicativa do Acordo Ortográfico da LínguaPortuguesa, assinado por representantes de Angola, Brasil, Cabo Verde,Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal e São Tomé e Príncipe, eestabelecendo que o Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa entrará emvigor em 1 de janeiro de 1994...

Háquem afirme que:
Uma criança usa 1.000 palavras
Um adulto, 2.000;
Uma pessoa culta, 5.000
Um pessoa erudita, 10.000.
O bra ???p?sileiro médio usa 2.000 palavras
Dicionários
O Dicionário da Academia Brasileira de Letras tem 72 mil verbetes
O Dicionário de Antonio Houaiss 228.500
O Dicionário Michaelis 200.000
O Dicionário do Aurélio 160.000
O Dicionário Larousse Ilustrado 35.000
O Dicionário da Academia das Ciências de Lisboa 120.000l
O maior Dicionário do mundo é oOxford English Dictionary com 615.00 verbetes. A 1ª edição saiu em1927, depois de 48 anos de pesquisas, com 414.825.
A gíria no Brasil teria um acervo de:
50 mil palavras.
No meu Dicionário, 28 mil
No de Viotti, 5 mil (1957)
No de Nascentes. 2,5 mil (1953)
No de Amadeu Amaral, 2,0 mil (1922)
No de Elysio Carvalho, 500 (1912)
No de Bock l,0 mil (1903)
As referências sobre gírias
Em Portugal, nos séculos
XVI (Gil Vicente, Jorge Ferreira de Vasconcelos)
XVII (Dom Francisco Manuel de Melo)
XVIII (padre Rafael Bluteau e Manoel Joseph Paiva)
No Brasil,
XIX (Manuel Antonio de Almeida, Aloizio de Azevedo, J.Romaguera Correa)
XX (Bock, Elysio de Carvalho, Amadeu Amaral, Antenor Nascentes, ManuelViotti, Monica Rector, Dino Pretti)

Comonascem as gírias.

Muitagente pergunta pelo correio eletrônico, bem como em entrevistas,encontros, seminários etc como nascem as gírias. ???p?
As formas são muitas:
1) neologismos, novas palavras com a lógica da língua, seja pelamorfologia ou fonética;
2) metaplasmos
3) bordões, jargões, refrões, chavões, clichês, gritos de guerra,palavras de ordem, etc
4) palavrões e calões
5) ditados, ditos e expressões populares, frases feitas, frases deefeito
6) modismos induzidos, especialmente na tevê, um bordão que vira modismo
7) modismos tecnificados, especialmente na publicidade, uma frase, umslogan, uma palavra de ordem que vira modismo
8) regionalismo, caipirismo
9) vícios de linguagem, barbarismos, solecismos
9) palavras inventadas
10) corruptelas ou corrutelas
11) duplo significado. Na etimologia, uma coisa. Na gíria, outra
12) inclusão ou supressão de letras e sílabas
3) preguiça de se pronunciar a palavra por inteiro
14) simplificação da linguagem.

Amaior palavra
A maior palavra da língua portuguesa não é anticonstitucionalissimamente,como durante muito tempo se falou,mas Pneumoultramicroscopicossilico-vulvcanoconiotico, com 46 letras., quesignifica estado de que é acometido de uma doença rara provocada pelaaspiração de cinzas vulcânicas.

opinioes.gif (1792 bytes)

"Estaobra é rica de signos e ???p? significados. Concordo com a observaçãodo autor de que ela "é a manifestação da língua viva", representandoapreciável vertente do nosso vernáculo."
Arnaldo Niskier, ex-Presidente da AcademiaBrasileira de Letras

"Quero dizer-lhe, muitolealmente, que você levou a bom termo alguma coisa de extremo interessepresente a futuro não só para a nossa lingua formal presente, mastambém para a informal, cujos enlaces você não deixou de apontar."
AntonioHouaiss, ex-Ministro da Cultura e membro da Academia Brasileira deLetras."Gosteimuito do Dicionário. É bom. Acho que Houaiss tem razão."
MarcosVinicius Vilaça, Ministro do Tribunal de Contas da União e membro daAcademia Brasileira de Letras"Um trabalho dessa ordem, pesquisando alinguagem falada do povo, das classes marginais tem, em nossos dias,uma importância muito grande para o estudo da lexicografia popular."
DinoPretti, Professor da USP."Serra escarafunchou meio mundo, aqui ealhures, região por região, por todo esse Brasil imenso, a fim deregistrar vocábulos e expressões de que se valem os brasileiros na suaprática coloquial cotidiana."
BlanchardGirão, Jornal ???p?ista.

"Trata-se de uma longapesquisa em que você contribui valiosamante para o linguajar falado dobrasileiro e isso ajuda sobremaneira a todos nós."
L.G.Do Nascimento Silva, ex-Ministro da Previdência e ex-Embaixador doBrasil em Paris."Desejo cumprimentá-lo pelo "Dicionário deGíria" que você teve a coragem de iniciar a perseverança de levar a bomtermo.
OsvaldoDella Giustina, ex-Reitor da Universidade de Tocantins.

"No seu livro, Serra eGurgel, adverte que disseminação dessa forma de Linguagem, não rarotambém divulgada pelos meios de comunicação, pode estar levando oportuguês falado no Brasil a se transformar numa língua ágrafa - ouseja, sem a correspondente representação gráfica para sua manifestaçãosonora."
Editorialdo jornal A GAZETA, de Vitória, ES.

VEJA AS EDIÇÕES ANTERIORES DO JORNALDA GÍRIA

JornalNovembro de 1999
JornalDezembro de 1999
JornalJaneiro de 2000
JornalFevereiro de 2000
JornalMarço de 2000
JornalAbril de 2000
JornalMaio/Junho de 2000
JornalJulho/Agosto de 2000
JornalSetembro/Outubro de 2000
JornalJaneiro/Fevereiro de 2001
JornalMarço/Abril de 2001
JornalMaio/Junho de 2001
JornalJulho/Agosto de 2001
JornalSetembro/Outubro de 2001
JornalNovembro/Dezembro de 2001
JornalJaneiro/Fevereiro de 2002
JornalMarço/Abril de 2002
JornalMaio/Junho de 2002
JornalJulho/Agosto de 2002
JornalNovembro/Dezembro de 2002
JornalDezembro/02 - Janeiro/03
JornalJaneiro/Fevereiro de 2003
JornalAbril/Maio de 2003
JornalJunho/Julho de 2003
JornalAgosto/Setembro de 2003
JornalOutubro/Novembro de 2003
JornalDezembro de 2003
JornalFevereiro/Março de 2004
JornalAbril/Maio de 2004
JornalJunho-Agosto de 2004
JornalSetembro/Outubro de 2004
JornalNovembro/Dezembro de 2004
JornalJaneiro-Abril de 2005
JornalMaio/Julho de 2005

JornalAgosto/Outubro de 2005
JornalJaneiro/Fevereiro de 2006
JornalMarço/Abril de 2006
JornalMaio/Junho de 2006
JornalAgosto/Setembro de 2006
JornalOutubro/Dezembro de 2006
JornalJaneiro/Fevereiro de 2007
Jornal Março/Abril de 2007
JornalMaio/Julho de 2007
JornalAgosto/Outubro de 2007
JornalNovembro/Dezembro de 2007
JornalJaneiro/Fevereiro de 2008

Jornal Março/Abril de 2008

JornalMaio/Junho de 2008
JornalJulho/Agosto de 2008
JornalSetembro/Outubro de 2008
JornalNovembro/Dezembro de 2008
JornalJaneiro/Fevereiro de 2009
JornalMarço/Abril de 2009
JornalMaio/Junho de 2009
JornalJulho de 2009
JornalAgosto de 2009
JornalSetembro/Outubro de 2009
JornalNovembro/Dezembro de 2009
JornalJaneiro/Fevereiro de 2010
JornalMarço/Abril de 2010
JornalMaio/Junho de 2010
JornalJulho/Agosto de 2010
JornalSetembro/Outubro de 2010
JornalNovembro/Dezembro de 2010
JornalJaneiro/Fevereiro de 2011
JornalMarço/Abril de 2011
JornalMaio/Junho de 2011
JornalJulho de 2011
JornalAgosto de 2011
JornalSetembro/Outubro de 2011
JornalNovembro/Dezembro de 2011
JornalJaneiro/Fevereiro de 2012
JornalMarço/Abril de 2012
JornalMaio/Junho de 2012
JornalJulho/Agosto de 2012
JornalSetembro/Outubro de 2012
JornalNovembro/Dezembro de 2012
JornalJaneiro/Fevereiro de 2013
JornalMarco/Abril de 2013
JornalMaio/Junho de 2013
JornalJulho/Agosto de 2013
JornalSetembro de 2013
JornalOutubro de 2013
JornalNovembro/Dezembro de 2013
JornalJaneiro/Fevereiro de 2014
JornalMarço/Abril de 2014
JornalMaio/Junho de 2014
JornalJulho/Agosto de 2014
JornalSetembro/Outubro de 2014
JornalNovembro/Dezembro de 2014
JornalJaneiro/Fevereiro de 2015
JornalMarço/Abril de 2015
JornalMaio/Junho de 2015
JornalJulho/Agosto de 2015
JornalSetembro/Outubro de 2015
JornalNovembro/Dezembro de 2015
JornalJaneiro/Fevereiro de 2016
JornalMarço/Abril de 2016
JornalMaio/Junho de 2016
JornalJulho/Agosto de 2016
JornalSetembro/Outubro de 2016
JornalNovembro/Dezembro de 2016
JornalJaneiro/Fevereiro de 2017
JornalMarço/Abril de 2017
JornalMaio/Junho de 2017
JornalJulho/Agosto de 2017
JornalSetembro/Outubro de 2017
JornalNovembro/Dezembro de 2017
JornalJaneiro/Dezembro de 2018
JornalMarço/Abril de 2018
JornalMaio de 2018
JornalJunho de 2018
JornalJulho de 2018
JornalAgosto de 2018
JornalSetembro de 2018


Jornalda Gíria Ano XIX- Nº 121 Outubro e Novembro de 2018
 


Visiteo nosso Facebook,com as últimas questões gírias e da língua portuguesa.

Cliquenos ícones abaixoe veja ou ouça o que a equipe do Jornal da Gíria pesquisou sobre alínguaportuguesa e que é do seu interesse conhecer.

Ouçaaqui giria portuguesa e divirta-se ! (necessario PowerPoint )

 Veja o que mandouAntónio Pinho, de Lisboa: Aorigem da línguaportuguesa:

https://www.youtube.com/watch?v=EtBief6RK_I

Veja o que me mandouRubem Amaral Junior  :

http://youtu.be/sTVgNi8FFFM

vejaa despedida do trema  ! (necessario PowerPoint)

giria de angola :https://www.youtube.com/watch?v=YZdSGL54f-Y

Brasileirismos !(necessario PowerPoint)

Ouça  olink do programaSem Papas na Língua, com Ricardo Boechate Dionisio de Souza naBand News Fluminense, em 19,07.2018sobre o lançamento da 9ª. Edição do Dicionário de Gíria.

https://fatosfotoseregistros.wordpress.com/2018/07/19/spl20180719/

 

A 9ª. EDIÇÃO DO NOSSODICIONARIO DE GIRIA SEGUE SEU CURSO.

 

Está muito difícil colocaro Dicionário de Giria, em 9ª. edição, nas livrariasdo Brasil. Ou vender livros no Brasil.

As livrarias, como asbibliotecas, principalmente as grandes redes, estão fechando.

As pequenas livrarias tambémestão sumindo.

Não dá pra vender livros emsupermercados. Só em bancas outrora de jornais e revistas que hoje vendem cerveja,  refrigerante,agua, quentinha, recarga de telefones celulares, etc

Nos aeroportos, há pontosde venda, mas tudo muito complicado.

Na venda de livros, osdistribuidores também faliriam. O problema é que queriam 50% e as livrariasmais 50%.

Alem do que o autor teria queentregar o livro, em consignalao, sem data parareceber.

É um problema agravado pelobaixíssimo índice de leitura dos brasileiros. Pesquisa indicou que entrre universitários são poucos osquelêm um livro, por ano.

Onde vamos parar com um quadrodesse? Francamente não sei.

Estou tentando vender o Dicionario  pelo site, jornal da gíria, facebook.

Comecei com R$ 75,00 naslivrarias porque teria que entregar 50% para a livraria, seja R$ 37,50

Sem livraria no meio, estouvendendo aqui pelo site, por R$ 60,-00 tendo que pagarR$ 10,00 de Correios,

Sem Correios, vendo por R$50,00 o que estou tentando levar adiante o projeto, resgatando o meuinvestimento pessoal já que não tenho editora.

 

E fácil comprar o Dicionário de Giria

Veja o que fazer:

Deposite R$ 60,00 na conta 825 754­,agencia 3602-1 do Banco do Brasil

ou na conta 261 644-6, da agência 0005, daCaixa Econômica Federal.

Mande comprovante e confirmeendereço pelo email: serraegurgel@gmail.

'SURICATE SEBOSO' FAZ SUCESSO COM EXPRESSÕES CEARENSES E VIRA NEGÓCIO

PERFIL DA REDESOCIAL ALCANÇOU 1 MILHÃO DE CURTIDAS EM MENOS DE UM ANO.
ADMINISTRADOR DA PÁGINA VAI PODER PAGAR A FACULDADE COM ANÚNCIOS.

O que começou como brincadeira garantiuestabilidade financeira e vai possibilitar que o cearense Diego Jovino, de 26anos, pague uma faculdade particular para estudar publicidade e propaganda. 

O"Suricate Seboso", página que Diegoadministra no Facebook, chegou a um milhão decurtidores em menos de um ano de criação e trouxe uma estabilidade financeirapara o jovem, que antes ganhava menos de um salário mínimo por mês. 

O perfil narede social traz imagens de um suricato ou suricata - animal da África - em várias facetas comexpressões tipicamente cearenses e cheias de humor.

 

Com o sucesso entre conterrâneos eadmiradores do "jeito cearense de ser", o SuricateSeboso tornou-se garoto-propaganda de marcas, ultrapassando o virtual eestrelando em campanhas publicitárias na televisão e em outdoors pela capitalcearense. 

Diego Jovino resolveu largar o “bico” de quatro horas que fazia comorecepcionista de uma loja de informática para cuidar dos negócios da página.“Percebi que estava crescendo, quando comecei a receber ligações de empresasinteressadas em anunciar.

Eu vi a possibilidade de crescer com isso”, lembra.

Diego diz que algumas imagens da página, criada emdezembro de 2012, chegaram a ter mais de 50 mil compartilhamentos, e o perfilteve 15 mil "likes" em um só dia.  Ocriador conta que se inspirou em uma outro página regional na rede, o"Esquilo Lombroso", da Paraíba.

"Resolvi criar o Suricatecom as coisas aqui do Ceará. Pesquisei animais regionais, mas não encontravamuitas opções. Quando procurei o suricate, tinhamvárias formas, ele de todo jeito. Achei mais caricato e ele também tem um jeitomais de ser humano, fica em pé",

justifica a escolha de um suricate falar "cearensês".O seboso, segundo Jovino, veio da mania do cearense de chamar por alguém "frescando", fazendo brincadeiras.

 









“Uri cumpadi

 

Com o primeiro retorno vindo com a página,além de largar o emprego, o jovem que mora com os avós desde a infânciainstalou internet na casa onde mora, no bairro Parque Água Fria e se dedico àpágina.

Para produzir o conteúdo, Diego admite que as expressões e referênciasnas postagens fazem parte do que o cearense viveu e presenciou com  amigos e parentes.

“Faz tanto sucesso porque antes não havia algo que opessoal (cearenses) se identificasse. O que se via eram expressões de fora. 

O Suricate traz o jeito do cearense falar, as coisas quevivemos, a realidades das escolas. O pessoal tem orgulho do nosso jeito. Eu nãovia isso muito na internet”, explica.  

Diego também afirma que vê o jeito Suricate Seboso na "boca" dos cearenses. Entre asexpressões popularizadas com o perfil, estão “armaria nam”,que vem do “ave, Maria” para demonstrar negação, e“uri cumpadi”, 

uma exclamação que indica espanto.

 

A forma de escrever das postagens écomo é dita nas ruas. “A gente escreve do jeito que fala propositalmente. A ideiaé escrever o jeito que a gente fala”, diz. Além das memórias, 

Diego Jovinoconta com a contribuição dos internautas que enviam diariamente sugestões depostagens. Por dia, ele recebe mais de 100 mensagens com situações e expressõesvistas no Ceará.





Em nove meses de criação, o número depostagens da página já passou de 2.400. Atualmente, Diego, que continua o únicoadministrador da página, tem uma média de sete postagens por dia, de domingo adomingo.

O “Suricate Seboso” não ficouneutro em polêmicas da cidade, como a construção dos viadutos na àrea do Parque do Cocó, e chegou a receber notas deresposta da Prefeitura de Fortaleza e do Governo do Estado.

“O Suricate é um cidadão de Fortaleza, ele vivencia as coisasda cidade. A questão da natureza é muito importante. Eu estou mentindo? Nãoestou, mas tento não ser tão direto”.

 

Para ajudar nos negócios, Diego Jovino  fez umaparceria com uma empresa especializada em marketing digital, que gerencia oscontratos da página. Com o sucesso, o Suricate Sebosoganhou páginas em outras redes sociais,

como Youtube,Instagram e Twitter. Neste último, ele é um dos maisinfluentes de Fortaleza, segundo sites especializados no assunto.

O próximo passo do SuricateSeboso é abrir uma loja física, com camisas, canecas, chaveiros e outrosprodutos licenciados. Mesmo saindo da rede, o criador do suricateque conquistou o mercado regional não esquece o compromisso com os curtidoresdele. 

“A ideia é continuar com o trabalho do suricate,criando novas possibilidades para galera, com humor cearense e o nosso jeito defazer 'enxame', de brincar”, afirma.


 

PARACONHECIMENTO DOS LEITORES DESTE PORTAL PUBLICO AS GÍRIAS ATUAIS DE BRASILIA,RESSALTANDO QUE A MAIOR PARTE DELAS É SOBRE CORRUPÇÃO, LADRÃO, CORRUPTO, SAFADO.

A gíria é modismo.

Acompanha em cima do lance o que se passa na sociedadebrasileira.

Se você puder pode mandar as gírias

Deste tempo em que “bastardos inglórios” fazemfortuna.

GÍRIAS do poder , em Brasília 1985-2018

A base aliada  (grupo do poder políticono Legislativo)

A fila anda (já era, foi demitido)

A pizza esta assando (acordo para beneficiar ladrões e corruptos)

A pizza está no forno ( acordo para beneficiar ladrões e corruptos)

acabar em pizza (dar em nada); 

acordão (acordo para beneficiar ladrões ecorruptos)

alagoar (roubar);

anão (parlamentar corrupto);

andar de baixo (quinto escalão, servidoreshumildes);

apagão (pane no sistema elétrico do país, mas pode ser em aeroportos,transportes e camioneiros)

aparelhar o Estado (nomear petistas para os cargospúblicos, principalmente em comissão)

arca de Noé (grupo da base aliada, gente de todotipo)

arranca rabo (discussão violenta)

baixo clero  (pessoas do escalão de baixo ou intermediário); 

bala de prata (última bala ou ação para resolver um problema grave)

bancada da bala ( deputados ligados a venda de armas)

bancada da bola (deputados ligados ao futebol)

bater panelas (protestar)

boca de caçapa (corrupto)

boca de siri (ficar calado)

boca grande (corrupção  de alto nível)

boca larga (corrupto)

bocao (corrupto)

bocarra (boca grande, enfático, de corrupção)

bolada (corrupção, muito dinheiro)

boquinha( cargo em comissão para não trabalhar)

bolsa ditadura (aposentadoriapara quem foi vítima do regime militar de 1964_

bolsa paletó (dinheiro público para compra deroupa ou uniforme)

buzinaço (protestar com buzinas de carro)

cair do cavalo (dizer besteira e se comprometer)

caixa de pandora (corrupção)

caixa dois (corrupção)_

caixa preta (corrupção)

caçarolaço (protesto com caçarolas)

capilé (corrupção)

carregador de piano (servidor humilde que trabalha muito)

casca de banana (complicação para a chefia)

centrão (aglutinação de políticos de direita,do baixo clero,  com interesses escusos)

cinquinho (corrupção)

chapa puro sangue (chapa composta com os candidatos domesmo partido)

chupa (faz agora a sua provocação)

colocar  na frigideira (começar a fritar uma autoridade)

comer bola (aceitar propina, corromper) )

cumpanherada (petista)

cumpanhero (petista)

corrupa (corrupção)

corrente da felicidade (açãode grupo de corruptos no governo);

coxinha (manifestante de direita)

curriola (turma amiga)

cuspir no prato que comeu (trair quem o ajudou)

dar canelada (agir atropelando todo mundo)

dar canetada (decidir  na força bruta)

desocupar o beco (sair da frente)

dezinho (corrupção)

dilmítico (algo ininteligível, complicado)

dólar na cueca (corrupção)

encher a bufunfa (muito dinheiro,corrupção)

enfiar goela abaixo (impor a decisão)

equilibrando na corda bamba (autoridade ameaçada de demissão)

esquerdopata (esquerdista doente)

ficha limpa (político honesto)

ficha suja (corrupto)

fichinha (servidor  humilde)

filhote da ditadura (servidor que trabalhou no regimemilitar)

fogo amigo (acusações feitas porcorreligionários);

fritar (desprestigiar uma autoridade parademitir)

gafanhoto (político que come  a folha de pagamento, com servidoresfantasmas)

gato mestre (político ladrão);

goela grande (corrupto)

goeludo (corrupto voraz)

grande molusco (Lula)

laranja (corrupção, através de terceiros)

laranjal( corrupção através de terceiros)

largar a boca (deixar o cargo)

largar o osso (deixar o cargo)

lavajato (ação do MPF de combate a corrupção)

lavagem de dinheiro (dinheiro de corrupção, caixa dois)

lavanderia Brasil (país que facilita o trafico dedinheiro sujo)

limpar as gavetas (demitir-se ou ser demitido)

lular (roubar)

lulinha paz e amor (lula)

maleiro (assessor que carrega a mala docorrupto)

malufar (roubar)

mão limpas (políticos honestos)

mãos sujas (corruptos)

maracutaia ( corrupçao,propina)

marajá (autoridade, alto funcionário, comaltos salários)

marqueteiro (jornalista ou publicitário quetransforma político em sabão em pó)

mico empresa (fraude fiscal e previdenciária namicro empresa)

núcleo duro (ministros que decidem peloPresidente)

meia boca (às escondidas)

molhar a mão (aceitar propina. corromper)

mulão (Lula)

na cola (seguindo o chefe))

na fila (esperando,  aguardando)

nepô (nepotismo, nomeação de parentes)

o homem da mala (corruptor)

o ponto fora da curva (algo inesperado)

o voo da galinha (plano econômico furado)

orcrim (organização criminosa criada pelo pT e ´pelo PMDB)

pauta bomba (agenda de votação do Legislativocontra o Executivo)

pec bengala (meio de se aposentar por idade de 75 anos)

pedaladas fiscais (artifíciosfiscais que levaram ao impeachment da Presidente Dilma).

peefe (pessoa física)

pejota (pessoa jurídica)

pacote de bondades (ações demagógicas do governo);

pacote de maldades (ações do governo contra servidores eo povo)

passar o rodo (demitir pessoas)

paraiso fiscal (local do dinheiro da corrupção)

patranha (corrupção)

petralha (petista)

picareta (político sem ética, dignidade ecorrupto)

pilantropia (fraude fiscal e previdenciária na filantaropia)

pixulé (corrupção)

pixuleco (boneco do Lula como corrupto)

porões do poder (encontros secretos em garagens,subsolos, para acertos de grana etc)

poste (candidato de Lula)

propina ( dinheiro sujo)

propinoduto ( propina na Petrobras)

queda de braço (disputa pelo poder)

rachuncho (divisão da propina)

radio corredor (boatos)

raia miúda (servidor humilde)

republica das alagoas (governo Collor)

republica do abc (governo L lula)

rolo compressor (ação do Executivo passando por cimade tudo)

saco de bondades (medidas beneficiando servidores outrabalhadores)

saco de maldades (medidas punindo servidores outrabalhadores)

sair da reta (sair da frente para não seratropelado)

sanduba de mortandela ((sanduíche para sem tetos, sem terras , manifestantes do PT)

 sanduíche de mortandela (sanduíche para semtetos, sem terras , manifestantes do PT)

saia justa (em situação difícil)

sanguessuga (máfia montada para roubar oMinistério da Saúde)

sapo (Lula)

sapo barbudo (lula)

secrepone (secretária de porra nenhuna)

tico tico (dinheiro , propina)

traira (traidor)

trapalhada (corrupção)

trapalhão (corrupto)

trintinha (corrupção)

tropa de choque (grupo de deputados e senadores dabase aliada, maioria parlamentar)

verdinhas (dólares, corrupção)

vintinho  (corrupção)

virar a mesa (romper acordos e contratos)

 

Deposite a sua gíria

 


Visitante de numero: 635476!