O inglês é falado por 1,5 bilhão de pessoas;
O chinês por 1,2 bilhão;
O indu por 1,0 bilhão;
51 línguas são faladas por uma pessoa
1.500 línguas são faladas por menos de mil pessoas;
240 línguas são faladas por 96% dos seres humanos.
Acredita-se que daqui a l00 anos restarão 100 línguas;
24 daqui a 300 anos.
O inglês, espanhol e chinês e espanhol sobreviverão.
O português será incorporado pelo espanhol.

ALíngua Portuguesa

Noperíodo medieval, o português nasceu da cisão do galaico-português emdois falares distintos (galego e português).
A sua estrutura de língua novi-latina manteve-se mas recebeu, ao longodo seu período de formação, a contribuição de outras línguas,especialmente o árabe e as línguas germânicas.
No período renascentista, o grego e, principalmente, o latim eruditocontribuíram para uma maior variedade vocabular, e para a estruturaçãolingüística e gramatical.
Com as Grandes Navegações e as Descobertas, a língua portuguesa adotouvocábulos de diferentes origens.
Nos séculos XVIII e XIX, sofreu influência do francês.
No século XX, do inglês.

Aslínguas no Brasil

Antesde 1.500 havia 1.175 línguas.
Hoje são menos de 200. Certamente línguas indígenas.
O Brasil não tem dialetos.
No máximo, tem regionalismos.

Alíngua portuguesa no Brasil

Osdescobridores, os primeiros povoadores e os padres falavam o português.
Os índios potiguaras, viatãs, tupiniquins, caetés, tupinambás,guaranis, carijós, tapuias, aymorés, goytacazes e tamoios falavam suaslínguas. Foram identificadas na costa cerca de 76 nações e línguas. Sóno Amazonas existiam mais de 150. Os estudos das línguas indígenascomeçaram com o padre biscaino João Azpicuelta Navarro.
Os bandeirantes falavam a língua geral, mistura de português com aslínguas indígenas
Em 1583, as línguas africanas foram introduzidas no Brasil com achegada de quatro mil escravos da Guiné. Sofreriam alterações findo otráfico. Nina Rodrigues foi o primeiro a estudar as línguas e osdialetos da Guiné, Angola, Moçambique, Costa da Mina, Daomé e Sudão,predominando o nagô e o ioruba, na Bahia, e o quibundo, no Norte e noSul.
Em 1595, em Coimbra, foi publicada por Antônio de Mariz a “Arte deGramática da Língua mais usada na costa do Brasil”, feita pelo padreJosé de Anchieta que também elaborou “Diálogo da Doutrina Cristã” e“Arte da língua brasílica” a que todos os jesuítas deviam ler.
Em 1727, Dom João V fez saber ao governador do Maranhão que os índiosdeveriam ser instruídos na língua portuguesa.
Em 1755 em São Luís e Belém só se falava a língua tupica, inclusive nospúlpitos das igrejas.
Em 1757, O Código do Marques de Pombal ou a Lei do Diretório tinha porobjetivos vulgarizar a língua portuguesa Com ela se conseguiu mudar alíngua do Pará, São Paulo e Maranhão, determinando o ensino da línguaportuguesa.
Em 1768, o guarani era a língua usada na intimidade em S ???p?ão Paulo.
Em 1823, José Honório Rodrigues registrou in “Humanidades”, revista daUnB: A vitória real da língua portuguesa no Brasil só foi registrada300 anos depois da chegada dos descobridores, quando os brasileirosfalaram pela primeira vez sua própria língua, em reunião pública, nosdebates da Assembléia Constituinte de 1823”
O português é falado em sete países,espalhados por cinco continentes, por mais de 230 milhões de pessoas.
181,0 milhões no Brasil
18,9 milhões em Moçambique
12,0 milhões em Angola
10,0 milhões em Portugal
4,5 milhões de portugueses na Europa, América do Norte e América do Sul
1,1 milhão em Guiné Bissau
1,0 milhão em Macau, Timor Leste, Goa, Damão e Diu
434,0 mil em Cabo Verde
134 mil em São Tomé e Príncipe
A língua portuguesa tem um acervo de500 mil palavras.
A 1ª edição do VocabulárioOrtográfico da Língua Portuguesa, da Academia Brasileira de Letras, em1981, coordenado por Antonio Houais, registrou 360 mil palavras
Admite-se que hoje hajam:
160 mil na língua viva do Brasil e
140 mil na língua viva em Portugal.
Reformas Ortográficas na LínguaPortuguesa
Em 1911, Portugal adotou a 1ª reforma ortográfica
Em 1931, foi aprovado o 1° Acordo Ortográfico entre Brasil e Portugalpor iniciativa da Academia Brasileira de Letras e a Academia dasCiências de Lisboa
Em 1943, foi adotada a 1ª Convenção Ortográfica entre Brasil e Portugal
Em 1945, adotou-se a Convenção Ortográfica Luso Brasileira, em Portugale não no Brasil.
Em 1971, foi promulgada Lei, no Brasil, reduzindo as divergênciasortográficas com Portugal, com a simplificação.
Em 1973, foi promulgada Lei, em Portugal, reduzindo as divergênciasortográficas com o Brasil.
Em 1975, a Academia das Ciências de Lisboa e a Academia Brasileira deLetras elaboraram novo projeto de acordo que não foi aprovadooficialmente.
Em 1986, realizou-se no Rio de Janeiro o primeiro encontro dacomunidades dos países de língua portuguesa, tendo a AcademiaBrasileira de Letras apresentado o Memorando Sobre o Acordo Ortográficoda Língua Portuguesa. Também se realizou o Encontro de VerificaçãoOrtográfico da Língua Portuguesa, que teve como Secretário GeralAntonio Houaiss, que apresentou o documento Bases Analíticas daOrtografia Simplificada da Língua Portuguesa, em 1945, renegociada em1986.
Em 1990, a Academia das Ciências de Lisboa convocou novo encontrojuntando uma Nota Explicativa do Acordo Ortográfico da LínguaPortuguesa, assinado por representantes de Angola, Brasil, Cabo Verde,Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal e São Tomé e Príncipe, eestabelecendo que o Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa entrará emvigor em 1 de janeiro de 1994...

Háquem afirme que:
Uma criança usa 1.000 palavras
Um adulto, 2.000;
Uma pessoa culta, 5.000
Um pessoa erudita, 10.000.
O bra ???p?sileiro médio usa 2.000 palavras
Dicionários
O Dicionário da Academia Brasileira de Letras tem 72 mil verbetes
O Dicionário de Antonio Houaiss 228.500
O Dicionário Michaelis 200.000
O Dicionário do Aurélio 160.000
O Dicionário Larousse Ilustrado 35.000
O Dicionário da Academia das Ciências de Lisboa 120.000l
O maior Dicionário do mundo é oOxford English Dictionary com 615.00 verbetes. A 1ª edição saiu em1927, depois de 48 anos de pesquisas, com 414.825.
A gíria no Brasil teria um acervo de:
50 mil palavras.
No meu Dicionário, 28 mil
No de Viotti, 5 mil (1957)
No de Nascentes. 2,5 mil (1953)
No de Amadeu Amaral, 2,0 mil (1922)
No de Elysio Carvalho, 500 (1912)
No de Bock l,0 mil (1903)
As referências sobre gírias
Em Portugal, nos séculos
XVI (Gil Vicente, Jorge Ferreira de Vasconcelos)
XVII (Dom Francisco Manuel de Melo)
XVIII (padre Rafael Bluteau e Manoel Joseph Paiva)
No Brasil,
XIX (Manuel Antonio de Almeida, Aloizio de Azevedo, J.Romaguera Correa)
XX (Bock, Elysio de Carvalho, Amadeu Amaral, Antenor Nascentes, ManuelViotti, Monica Rector, Dino Pretti)

Comonascem as gírias.

Muitagente pergunta pelo correio eletrônico, bem como em entrevistas,encontros, seminários etc como nascem as gírias. ???p?
As formas são muitas:
1) neologismos, novas palavras com a lógica da língua, seja pelamorfologia ou fonética;
2) metaplasmos
3) bordões, jargões, refrões, chavões, clichês, gritos de guerra,palavras de ordem, etc
4) palavrões e calões
5) ditados, ditos e expressões populares, frases feitas, frases deefeito
6) modismos induzidos, especialmente na tevê, um bordão que vira modismo
7) modismos tecnificados, especialmente na publicidade, uma frase, umslogan, uma palavra de ordem que vira modismo
8) regionalismo, caipirismo
9) vícios de linguagem, barbarismos, solecismos
9) palavras inventadas
10) corruptelas ou corrutelas
11) duplo significado. Na etimologia, uma coisa. Na gíria, outra
12) inclusão ou supressão de letras e sílabas
3) preguiça de se pronunciar a palavra por inteiro
14) simplificação da linguagem.

Amaior palavra
A maior palavra da língua portuguesa não é anticonstitucionalissimamente,como durante muito tempo se falou,mas Pneumoultramicroscopicossilico-vulvcanoconiotico, com 46 letras., quesignifica estado de que é acometido de uma doença rara provocada pelaaspiração de cinzas vulcânicas.

opinioes.gif (1792 bytes)

"Estaobra é rica de signos e ???p? significados. Concordo com a observaçãodo autor de que ela "é a manifestação da língua viva", representandoapreciável vertente do nosso vernáculo."
Arnaldo Niskier, ex-Presidente da AcademiaBrasileira de Letras

"Quero dizer-lhe, muitolealmente, que você levou a bom termo alguma coisa de extremo interessepresente a futuro não só para a nossa lingua formal presente, mastambém para a informal, cujos enlaces você não deixou de apontar."
AntonioHouaiss, ex-Ministro da Cultura e membro da Academia Brasileira deLetras."Gosteimuito do Dicionário. É bom. Acho que Houaiss tem razão."
MarcosVinicius Vilaça, Ministro do Tribunal de Contas da União e membro daAcademia Brasileira de Letras"Um trabalho dessa ordem, pesquisando alinguagem falada do povo, das classes marginais tem, em nossos dias,uma importância muito grande para o estudo da lexicografia popular."
DinoPretti, Professor da USP."Serra escarafunchou meio mundo, aqui ealhures, região por região, por todo esse Brasil imenso, a fim deregistrar vocábulos e expressões de que se valem os brasileiros na suaprática coloquial cotidiana."
BlanchardGirão, Jornal ???p?ista.

"Trata-se de uma longapesquisa em que você contribui valiosamante para o linguajar falado dobrasileiro e isso ajuda sobremaneira a todos nós."
L.G.Do Nascimento Silva, ex-Ministro da Previdência e ex-Embaixador doBrasil em Paris."Desejo cumprimentá-lo pelo "Dicionário deGíria" que você teve a coragem de iniciar a perseverança de levar a bomtermo.
OsvaldoDella Giustina, ex-Reitor da Universidade de Tocantins.

"No seu livro, Serra eGurgel, adverte que disseminação dessa forma de Linguagem, não rarotambém divulgada pelos meios de comunicação, pode estar levando oportuguês falado no Brasil a se transformar numa língua ágrafa - ouseja, sem a correspondente representação gráfica para sua manifestaçãosonora."
Editorialdo jornal A GAZETA, de Vitória, ES.

VEJA AS EDIÇÕES ANTERIORES DO JORNALDA GÍRIA

JornalNovembro de 1999
JornalDezembro de 1999
JornalJaneiro de 2000
JornalFevereiro de 2000
JornalMarço de 2000
JornalAbril de 2000
JornalMaio/Junho de 2000
JornalJulho/Agosto de 2000
JornalSetembro/Outubro de 2000
JornalJaneiro/Fevereiro de 2001
JornalMarço/Abril de 2001
JornalMaio/Junho de 2001
JornalJulho/Agosto de 2001
JornalSetembro/Outubro de 2001
JornalNovembro/Dezembro de 2001
JornalJaneiro/Fevereiro de 2002
JornalMarço/Abril de 2002
JornalMaio/Junho de 2002
JornalJulho/Agosto de 2002
JornalNovembro/Dezembro de 2002
JornalDezembro/02 - Janeiro/03
JornalJaneiro/Fevereiro de 2003
JornalAbril/Maio de 2003
JornalJunho/Julho de 2003
JornalAgosto/Setembro de 2003
JornalOutubro/Novembro de 2003
JornalDezembro de 2003
JornalFevereiro/Março de 2004
JornalAbril/Maio de 2004
JornalJunho-Agosto de 2004
JornalSetembro/Outubro de 2004
JornalNovembro/Dezembro de 2004
JornalJaneiro-Abril de 2005
JornalMaio/Julho de 2005

JornalAgosto/Outubro de 2005
JornalJaneiro/Fevereiro de 2006
JornalMarço/Abril de 2006
JornalMaio/Junho de 2006
JornalAgosto/Setembro de 2006
JornalOutubro/Dezembro de 2006
JornalJaneiro/Fevereiro de 2007
Jornal Março/Abril de 2007
JornalMaio/Julho de 2007
JornalAgosto/Outubro de 2007
JornalNovembro/Dezembro de 2007
JornalJaneiro/Fevereiro de 2008

Jornal Março/Abril de 2008

JornalMaio/Junho de 2008
JornalJulho/Agosto de 2008
JornalSetembro/Outubro de 2008
JornalNovembro/Dezembro de 2008
JornalJaneiro/Fevereiro de 2009
JornalMarço/Abril de 2009
JornalMaio/Junho de 2009
JornalJulho de 2009
JornalAgosto de 2009
JornalSetembro/Outubro de 2009
JornalNovembro/Dezembro de 2009
JornalJaneiro/Fevereiro de 2010
JornalMarço/Abril de 2010
JornalMaio/Junho de 2010
JornalJulho/Agosto de 2010
JornalSetembro/Outubro de 2010
JornalNovembro/Dezembro de 2010
JornalJaneiro/Fevereiro de 2011
JornalMarço/Abril de 2011
JornalMaio/Junho de 2011
JornalJulho de 2011
JornalAgosto de 2011
JornalSetembro/Outubro de 2011
JornalNovembro/Dezembro de 2011
JornalJaneiro/Fevereiro de 2012
JornalMarço/Abril de 2012
JornalMaio/Junho de 2012
JornalJulho/Agosto de 2012
JornalSetembro/Outubro de 2012
JornalNovembro/Dezembro de 2012
JornalJaneiro/Fevereiro de 2013
JornalMarco/Abril de 2013
JornalMaio/Junho de 2013
JornalJulho/Agosto de 2013
JornalSetembro de 2013
JornalOutubro de 2013
JornalNovembro/Dezembro de 2013
JornalJaneiro/Fevereiro de 2014
JornalMarço/Abril de 2014
JornalMaio/Junho de 2014
JornalJulho/Agosto de 2014
JornalSetembro/Outubro de 2014
JornalNovembro/Dezembro de 2014
JornalJaneiro/Fevereiro de 2015
JornalMarço/Abril de 2015
JornalMaio/Junho de 2015
JornalJulho/Agosto de 2015
JornalSetembro/Outubro de 2015
JornalNovembro/Dezembro de 2015
JornalJaneiro/Fevereiro de 2016
JornalMarço/Abril de 2016
JornalMaio/Junho de 2016
JornalJulho/Agosto de 2016
JornalSetembro/Outubro de 2016
JornalNovembro/Dezembro de 2016
JornalJaneiro/Fevereiro de 2017
JornalMarço/Abril de 2017
JornalMaio/Junho de 2017
JornalJulho/Agosto de 2017
JornalSetembro/Outubro de 2017
JornalNovembro/Dezembro de 2017
JornalJaneiro/Dezembro de 2018
JornalMarço/Abril de 2018
JornalMaio de 2018
JornalJunho de 2018
JornalJulho de 2018
JornalAgosto de 2018
JornalSetembro de 2018
Jornal Outubro Novembro de 2018
Jornal Dezembro de 2018
Jornal Janeiro/Fevereiro de 2019
Jornal Março/Abril de 2019
Jornal Maio/Junho de 2019
Jornal Julho/Agosto de 2019
Jornal Setembro/Outubro de 2019
Jornal Novembro/Dezembro de 2019
Jornal Janeiro/Fevereiro de 2020
Jornal Março/Abril de 2020
Jornal Maio/Junho de 2020
Jornal Julho/Agosto de 2020
Jornal Setembro/Outubro de 2020
Jornal Novembro/Dezembro de 2020
Jornal Janeiro/Fevereiro de 2021
Jornal Março/Abril de 2021
Jornal Maio/Junho de 2021
Jornal Setembro/Outubro de 2021
Jornal Novembro/Dezembro de 2021
Jornal Janeiro/Fevereiro de 2022
Jornal Março/Abril de 2022
Jornal Maio/Junho de 2022


Jornal da Gíria Ano XXII- Nº 144 Julho e Agosto de 2022
 

Muito grato aos 652 mil 949 visitantes deste site de gíria na lingua portuguesa.

 
Certamente é recorde.

 
Devemos considerar:

1)      Não temos dialetos.

2)    Temos sotaques uma pista para um dialeto.

3)    Temos regionalismos muito fortes.

4)    Temos o mais baixo índice de leitura dos países da América Latina, o que compromete a capacidade de cultura da lingua. \livro, jornais e revistas  desapareceram.

5)    Com a explosão digital, as bancas de jornais sumiram, as livrarias e as bibliotecas fecharam.

6)    95% dos brasileiros desconhecem a linguagem padrão, a lingua culta.

7)    95% desconhecem a gramática

8)    90% dos brasileiros falam gírias

9)    O país ainda conta com uma robusta  população  constituida por semi-analfabetos e analfabetos funcionais,

10)O brasileiro médio tem um vocabulário muito pobre e muito curto de apenas 1000 palavras.

11)   O ensino da língua portuguesa continua muito difícil, com brutal omissão do Ministério da Educação.

12) .Nada se faz em defesa da língua.

13)  É crescente o uso de palavras e expressões da língua inglesa. O povão repete, sem entender .

14) A linguagem digital e virtual está foremenete presente nas redes sociais.

15) Há quem afirme que o Brasil caminha para ser uma nação ágrafa , isto é sem lingua escrita. Se não leêm e não escrevem, esta será  a consequência.

16) Deve surgir , através da gíria, uma nova linguagem, com nova escrita e nova pronuncia. Longe de qualquer semelhança com línguas indígenas ou linguas africanas, vivas ou mortas, sera apreendida por parte da popolação.

17)  A lingua portuguesa vai sumindo devagar e sempre.

  

A próxima edição do Dicionário de Gíria, que tende a não mais impressa , chegará aos 40 mil verbetes gírios do Brasil Portugal  Angola, Moçambique e talvez Cabo Verde.

 


Visiteo nosso Facebook,com as últimas questões gírias e da língua portuguesa.

Cliquenos ícones abaixoe veja ou ouça o que a equipe do Jornal da Gíria pesquisou sobre alínguaportuguesa e que é do seu interesse conhecer.

Ouçaaqui giria portuguesa e divirta-se ! (necessario PowerPoint )

 Veja o que mandouAntónio Pinho, de Lisboa: Aorigem da línguaportuguesa:

https://www.youtube.com/watch?v=EtBief6RK_I

Veja o que me mandouRubem Amaral Junior  :

http://youtu.be/sTVgNi8FFFM

vejaa despedida do trema  ! (necessario PowerPoint)

giria de angola :https://www.youtube.com/watch?v=YZdSGL54f-Y

Brasileirismos !(necessario PowerPoint)

Ouça  olink do programaSem Papas na Língua, com Ricardo Boechate Dionisio de Souza naBand News Fluminense, em 19,07.2018sobre o lançamento da 9ª. Edição do Dicionário de Gíria.

https://fatosfotoseregistros.wordpress.com/2018/07/19/spl20180719/

Dia Mundial da Língua Portuguesa - UNESCO

Em 2019, a 40ª sessão da Conferência Geral da UNESCO decidiu proclamar o dia 5 de Maio de cada ano como "Dia Mundial da Língua Portuguesa". 

língua portuguesa é não só uma das línguas mais difundidas no mundo, com mais de 265 milhões de falantes espalhados por todos os continentes, como é também a língua mais falada no hemisfério .

No Brasil, as  comemorações ficaram restritas ao Museu da Lingua Portugesa, em São Paulo. Nenhuma manifestação por parte do Ministério da Educação e das secfetarias de educação dos estados, e muncipios,


"A riqueza de uma língua mede-se pela diversidade e inclusão" 

António Guterres destacou "relevância global" da língua portuguesa

António Guterres destacou "relevância global" da língua portuguesa   -   Direitos de autor  Martial Trezzini/Keystone via AP

Nações Unidas, Nova Iorque, 05 mai 2021 (Lusa) – O secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), António Guterres, destacou a “relevância global” da língua portuguesa e

apelou ao combate da propagação de informações falsas e à participação de mulheres e jovens em processos de decisão.

António Guterres marcou o Dia Mundial da Língua Portuguesa, que se celebra anualmente a 05 de maio, com um vídeo, publicado na véspera, em que alertou para o atual “contexto de desafios complexos”.

O antigo primeiro-ministro português declarou que a propagação de desinformação é um dos problemas que terá de ser contrariado pelo papel de todos os idiomas, em particular o português, “na mobilização 

e disseminação do conhecimento e da informação credível e verificada”.

A riqueza de uma língua mede-se pela diversidade e pela inclusão das suas vozes”, acrescentou António Guterres, recomendando “a participação plena, significativa e efetiva das mulheres e dos jovens em todos os processos de decisão”.

A inclusão de meninas e mulheres “será a única forma” de assegurar sucessos, “dar resposta aos desafios do presente” e “reconstruir melhor”, segundo o secretário-geral da ONU.

Num vídeo oficial da UNESCO, agência da ONU para Educação, Ciência e Cultura, comemorativo do Dia Mundial da Língua portuguesa, considera-se esta “uma língua plural, de riqueza e de diversidade, uma língua inclusiva, do diálogo e da cooperação”.

O subdiretor geral para a Cultura na UNESCO, Ernesto Ottone Ramírez, também disse, num vídeo à parte, que o português é “uma língua de encontros, na terra e no oceano”.

Segundo a UNESCO, existem mais de 265 milhões de falantes de português em todo o mundo.

A mensagem de António Guterres, publicada pela página de informação ONU News, começou com uma felicitação à Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), constituída por nove países.

Na visão de Guterres, o Dia é “um exemplo daquilo que a CPLP tem conseguido atingir no ano em que celebrará o 25º aniversário da sua criação”.

O responsável disse ainda que a língua portuguesa é “uma via privilegiada para chegar a vastos estratos populacionais espalhados por todos os continentes”.

“Este Dia Mundial é um reconhecimento justo da relevância global da língua portuguesa. Estou seguro de que o seu futuro continuará a ser enriquecido pela diversidade e solidariedade de todas as suas vozes”, concluiu o secretário-geral da ONU.

As declarações dos responsáveis da ONU surgem numa altura em que Portugal e outros países, como o Brasil, têm reforçado o interesse em juntar-se ao leque de línguas oficias da ONU, 

que neste momento são seis: árabe, chinês, espanhol, francês, inglês e russo.

Segundo a ONU News, entre mais de 150 atividades estimadas para a comemoração do Dia Mundial da Língua Portuguesa em mais de quatro dezenas de países, as celebrações na Organização das Nações Unidas serão dirigidas por Cabo Verde, 

que também ocupa a presidência rotativa da CPLP.

 
O Dia Nacional da Língua Portuguesa

 
. O Dia Nacional da Língua Portuguesa, comemorado em 5 de novembro, foi instituído pela Lei n.º 11.310, de 12 de junho de 2006. A data foi escolhida em virtude do nascimento de Rui Barbosa, escritor e político brasileiro …

 

LÍNGUA PORTUGUESA

Por Eduardo Afonso

“Volta e meia alguém olha atravessado quando escrevo “leiaute”, “becape” ou “apigreide” – possivelmente uma pessoa que não se avexa de escrever “futebol”, “nocaute” e “sanduíche”.

Deve se achar um craque no idioma, me esnobando sem saber que “craque” se escrevia “crack” no tempo em que “gol” era “goal”, “beque” era “back” e “pênalti” era “penalty”. 

E possivelmente ignorando que esnobar venha de “snob”.

Quem é contra a invasão das palavras estrangeiras (ou do seu aportuguesamento) parece desconsiderar que todas as línguas do mundo se tocam, como se falar fosse um enorme beijo planetário.

As palavras saltam de uma língua para outra, gotículas de saliva circulando em beijos mais ou menos ardentes, dependendo da afinidade entre os falantes. E o português é uma língua que beija bem.

Quando falamos “azul”, estamos falando árabe. E quando folheamos um almanaque, procuramos um alfaiate, subimos uma alvenaria, colocamos um fio de azeite, espetamos um alfinete na almofada, anotamos um algarismo.

Falamos francês quando vamos ao balé usando um paletó marrom, quando fazemos um croqui ou uma maquete com vidro fumê; 

quando comemos uma omelete ou pedimos na boate um champanhe ao garçom; quando nos sentamos no bidê, viajamos na maionese, 

ou quando um sutiã (sob o edredom) provoca uma gafe - ou um frisson.

Falamos tupi ao pedir um açaí, um suco de abacaxi ou de pitanga; quando vemos um urubu ou um sabiá, ficamos de tocaia, votamos no Tiririca, botamos o braço na tipoia, armamos um sururu, 

comemos mandioca (ou aipim), regamos uma samambaia, deixamos a peteca cair.

Quando comemos moqueca capixaba, tocamos cuíca, cantamos a Garota de Ipanema.

pra imaginar a Bahia sem a capoeira, o acarajé, o dendê, o vatapá, o axé, o afoxé, os orixás, o agogô, os atabaques, os abadás, os babalorixás, as mandingas, os balangandãs?

Tudo isso veio no coração dos infames “navios negreiros”.

As palavras estrangeiras sempre entraram sem pedir licença, feito uma tsunami. E muitas vezes nos pegando de surpresa, como numa blitz.

Posso estar falando grego, e estou mesmo. Sou ateu, apoio a eutanásia, gosto de metáforas, adoro bibliotecas, detesto conversar ao telefone, já passei por várias cirurgias. 

E não consigo imaginar que palavras usaríamos para a pizza, a lasanha, o risoto, 

se a máfia da língua italiana não tivesse contrabandeado esse vocabulário junto com a sua culinária.

Há, claro, os exageros. Ninguém precisa de um “delivery” se pode fazer uma “entrega”, ou anunciar uma “sale” se se trata de uma “liquidação”.

Pra quê sair pra night de bike, se dava tranquilamente pra sair pra noite de bicicleta?

Mas a língua portuguesa também se insinua dentro das bocas falantes de outros idiomas. 

Os japoneses chamam capitão de “kapitan”, copo de “koppu”, pão de “pan”, sabão de “shabon”. Tudo culpa nossa. 

Como o café, que deixou de ser apenas o grão e a bebida, para ser também o lugar onde é bebido. 

E a banana, tão fácil de pronunciar quanto de descascar, e que por isso foi incorporada tal e qual a um sem-fim de idiomas.

E o caju, que virou “cashew” em inglês (eles nunca iam acertar a pronúncia mesmo).

“Fetish” vem do nosso fetiche, e não o contrário. “Mandarim”, seja o idioma, seja o funcionário que manda, vem do portuguesíssimo verbo “mandar”.

O americano chama melaço de “molasses”, mosquito de “mosquito” e piranha, de “piranha” – não chega a ser a conquista da América, mas é um começo.

Tudo isso é a propósito do 5 de maio, Dia da Língua Portuguesa, cada vez mais inculta e nem por isso menos bela. Uma língua viva, vibrante, maleável, promíscua – 

vai de boca em boca, bebendo de todas as fontes, lambendo o que vê pela frente.

Mais de oitocentos anos, e com um tesão de vinte e poucos.”

Professora de Português dando aula:

“Vamos conversar.

Não sou homofóbica, transfóbica, gordofóbica.

Eu sou professora de português.

Eu estava explicando um conceito de português e fui chamada de desrespeitosa por isso.

Eu estava explicando por que não faz diferença nenhuma mudar a vogal temática de substantivos e adjetivos pra ser "neutre".

Em português, a vogal temática na maioria das vezes não define gênero. Gênero é definido pelo artigo que acompanha a palavra.

Vou mostrar pra vocês:

O motorista. Termina em A e não é feminino.

O poeta. Termina em A e não é feminino.

A ação, depressão, impressão, ficção. Todas as palavras que terminam em ção são femininas, embora terminem com O.

Boa parte dos adjetivos da língua portuguesa podem ser tanto masculinos quanto femininos,

independentemente da letra final: feliz, triste, alerta, inteligente, emocionante, livre, doente, especial, agradável, etc.

Terminar uma palavra com E não faz com que ela seja neutra.

A alface. Termina em E e é feminino.

O elefante. Termina em E e é masculino.

Como o gênero em português é determinado muito mais pelos artigos do que pelas vogais temáticas, se vocês querem uma língua neutra,

precisam criar um artigo neutro, não encher um texto de X, @ e E.

E mesmo que fosse o caso, o português não aceita gênero neutro. Vocês teriam que mudar um idioma inteiro pra combater o "preconceito".

Meu conselho é: em vez de insistir tanto na questão do gênero, entendam de uma vez por todas que gênero não existe, é uma coisa socialmente construída.

O que existe é sexo.

Entendam, em segundo lugar, que gênero linguístico, gênero literário, gênero musical, são coisas totalmente diferentes de "gênero".

Não faz absolutamente diferença nenhuma mudar gêneros de palavras.

Isso não torna o mundo mais acolhedor.

E entendam em terceiro lugar, que vocês podiam tirar o dedo da tela e pararem de falar bobagem e se engajarem em algo que realmente fizesse a diferença para melhorar o mundo ,

ao invés de ficarem arrumando discussões sem sentido.

Tenham atitude! (Palavra que termina em E e é feminina).

E parem de ficar militando no sofá!(palavra que termina em A e é masculina).

Quando me questionam porque sou de direita, esta é a explicação:

"Quando um tipo de direita não gosta de armas, não as compra.

Quando um tipo de esquerda não gosta de armas, quer proibi-las.

Quando um tipo de direita é vegetariano, não come carne.

Quando um tipo de esquerda é vegetariano, quer fazer campanha contra os produtos à base de proteínas animais.

Quando um tipo de direita é homossexual, vive tranquilamente a sua vida.

Quando um tipo de esquerda é homossexual, faz um auê e inventa que está sofrendo de homofobia.

Quando um tipo de direita é ateu, não vai à igreja, nem à sinagoga, nem à mesquita.

Quando um tipo de esquerda é ateu, quer que nenhuma alusão a Deus ou a uma religião seja feita na esfera pública.

Quando a economia vai mal, o tipo de direita diz que é necessário arregaçar as mangas e trabalhar mais.

Quando a economia vai mal, o tipo de esquerda diz que os “malvadões  dos patrões são os responsáveis e param o país.

Tese final:

Quando um tipo de direita lê este texto, ele  ri, concorda que infelizmente é uma realidade e até compartilha.

Quando um tipo de esquerda lê este texto, te insulta e te rotula  de fascista, nazista, genocida, etc. 🙄.”

Não conheço o autor, mas aplaudo de pé!

Muito bom , vale a pena ler e divulgar!!😘👍🏼🌻👏🏻

Palavras do Senhor !!!Um poeta escreveu:

"Entre doidos e doídos, prefiro não acentuar".

Às vezes, não acentuar parece mesmo a solução.

Eu, por exemplo, prefiro a carne ao carnê.

Assim como, obviamente, prefiro o coco ao cocô.

No entanto, nem sempre a ausência do acento é favorável...

Pense no cágado, por exemplo, o ser vivo mais afetado quando alguém pensa que o acento é mera decoração.

E há outros casos, claro!

Eu não me medico, eu vou ao médico.

Quem baba não é a babá.

Você precisa ir à secretaria para falar com a secretária.

Será que a romã é de Roma?

Seus pais vêm do mesmo país?

A diferença na palavra é um acento; assento não tem acento.

Assento é embaixo, acento é em cima.

Embaixo é junto e em cima separado.

Seria maio o mês mais apropriado para colocar um maiô?

Quem sabe mais entre a sábia e o sabiá?

O que tem a pele do Pelé?

O que há em comum entre o camelo e o camelô?

O que será que a fábrica fabrica?

E tudo que se musica vira música?

Será melhor lidar com as adversidades da conjunção ”mas” ou com as más pessoas?

Será que tudo que eu valido se torna válido?

E entre o amem e o amém, que tal os dois?

Na sexta comprei uma cesta logo após a sesta.

É a primeira vez que tu não o vês.

Vão tachar de ladrão se taxar muito alto a taxa da tacha.

Asso um cervo na panela de aço que será servido pelo servo.

Por tanto nevoeiro, portanto, a cerração impediu a serração.

Para começar o concerto tiveram que fazer um conserto.

Ao empossar, permitiu-se à esposa empoçar o palanque de lágrimas.

Uma mulher vivida é sempre mais vívida, profetiza a profetisa.

Calça, você bota; bota, você calça.

Oxítona é proparoxítona.

Na dúvida, com um pouquinho de contexto, garanto que o público entenda aquilo que publico.

E paro por aqui, pois esta lista já está longa.

Realmente, português não é para amador!

Se você foi capaz de ENTENDER TUDO, parabéns!!! Seu português está muito bom!

Despedida do TREMA

Estou indo embora. Não há mais lugar para mim. Eu sou o trema. Você pode nunca ter reparado em mim, mas eu estava sempre ali, na Anhangüera,

nos aqüíferos, nas lingüiças e seus trocadilhos por mais de quatrocentos e cinqüenta anos.

Mas os tempos mudaram. Inventaram uma tal de reforma ortográfica e eu simplesmente fora. Fui expulso pra sempre do dicionário. Seus ingratos! Isso é uma delinqüência de lingüistas grandiloqüentes!...

O resto dos pontos e o alfabeto não me deram o menor apoio... A letra U se disse aliviada porque vou finalmente sair de cima dela. O dois pontos disse que eu sou um preguiçoso que trabalha deitado enquanto ele fica em pé.

Até o cedilha foi a favor da minha expulsão, aquele C cagão que fica se passando por S e nunca tem coragem de iniciar uma palavra. 

E também tem aquele obeso do O e o anoréxico do I. Desesperado, tentei chamar o ponto final pra trabalharmos juntos, fazendo um bico de reticências, mas ele negou, sempre encerrando logo todas as discussões. 

Será que se deixar um topete moicano posso me passar por aspas?...

A verdade é que estou fora de moda. Quem está na moda são os estrangeiros: é o K e o W, "Kkk" pra cá, "www" pra lá.

Até o jogo da velha, que ninguém nunca ligou, virou celebridade nesse tal de Twitter, que aliás, deveria se chamar TÜITER. Chega de argüição, mas estejam certos, seus moderninhos: haverá conseqüências!

Chega de piadinhas dizendo que estou "tremendo" de medo. Tudo bem, vou-me embora da língua portuguesa. Foi bom enquanto durou. Vou para o alemão, lá eles adoram os tremas. E um dia vocês sentirão saudades. E não vão agüentar!...

Nós nos veremos nos livros antigos. Saio da língua para entrar na história.

Adeus,

Trema

AVISO AOS NAVEGANTES
Ainda restam alguns exemplares da 9ª. edição do Dicionario de Giria ,do prof JB Serra e Gurgel. São 35.000mil gírias em 819 páginas.

Girias do Brasil, Portugal, Angola e Moçambique. Gírias das redes sociais. Regionalismos

 

de todos o estados brasileiros.

O livro está no catálogo da Livraria Travessa, do Rio de Janeiro, e por ser solicitado.

Outros interessados podem solicitar ao autor pelo email. serraegurgel@gmail.com.

O preço é de R$50,00 (com remessa inclusa, via Correios. Em todas as nove edições os livros adquiridos pelos Correios chegaram aos compradores).

Efetue o deposito na Caixa, agencia 0005, conta 261644-6 ou no Banco do Brasil, agencia

3602-1, conta 823.754-x, informe por email, mande seu endereço e aguarde)

 Deposite a sua gíria

 


Visitante de numero: 653169!